Política - 26/09/2013

Congresso mantém multa de 10% do FGTS e demais vetos de Dilma

Multa foi incorporada em 2001 e é paga pelas empresas ao governo. Para ACEI, manter este veto é penalizar ainda mais os empresários.



Na última semana, o veto presidencial que impedia o fim da multa de 10% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) cobrada de empregadores em demissões sem justa causa foi mantido pelo Senado pela diferença de apenas um voto, segundo o resultado oficial.

Na votação, foram registrados 40 votos no Senado contra o veto. Para a derrubada do veto, eram necessários os votos de 41 senadores e 257 deputados. A votação, contudo, é secreta e os nomes de quem votou a favor ou contra não são divulgados.

Somente 29 senadores foram favoráveis ao veto, enquanto outros quatro votaram em branco. Para um veto cair, é necessário que as duas casas legislativas votem pela derrubada. Como a apuração do veto à multa começou no Senado, onde foi garantida a manutenção do veto, o placar não chegou a ser contabilizado na Câmara dos Deputados.

O veto ao fim da multa do FGTS era o item mais polêmico da pauta do Congresso. O governo estima que caso o veto fosse derrubado, haveria prejuízo da ordem de R$ 3,2 bilhões nos recursos utilizados anualmente no programa Minha Casa, Minha Vida. O Palácio do Planalto realizou várias reuniões com parlamentares para garantir a manutenção do veto conforme a presidente Dilma Roussef determinou.

Na tentativa de manter o veto, o governo enviou ao parlamento um projeto que prevê a devolução do dinheiro da multa ao trabalhador demitido sem justa causa no momento em que ele se aposentar. O dinheiro, no entanto, só ficará disponível se o trabalhador não adquirir imóvel pelo Minha Casa, Minha Vida.

Para a diretoria da Associação Comercial e Empresarial de Itararé, manter esta multa é penalizar ainda mais as empresas, que já pagam altos tributos ao governo brasileiro.

A contribuição de 10% foi incorporada em 2001 à multa de 40% do FGTS e é paga pelas empresas ao governo, e não ao empregado, para tentar equilibrar a correção dos saldos das contas individuais do FGTS, decorrente dos planos Verão e Collor, e o patrimônio do fundo.

Em fevereiro do ano passado, o Conselho Curador do FGTS informou ao governo que a conta com os trabalhadores estava quitada, e o adicional de 10% poderia ser extinto. Mas o governo manteve a contribuição.

Veja mais


Comissão da Câmara propõe revisão do contrato com a Sabesp

O relatório da Comissão aponta falhas na execução de serviços e o não cumprimento de alguns acordos.

Ler notícia

Prefeitura faz cessão de terreno ao VICC.

Local será em frente ao Corpo de Bombeiros.

Ler notícia

Milton Monti lança canal de vídeos no You Tube para simplificar a política brasileira

O parlamentar aposta na abordagem clara de assuntos cotidianos, no diálogo aproximado com o público

Ler notícia

Novo Secretário de Serviços Municipais assume e fala sobre o desafio que irá enfrentar.

"Queremos deixar esta área de lazer 100% melhor do que encontramos", disse o novo secretário

Ler notícia


Comentários