Saúde - 13/08/2013

Nova Secretária da Saúde de Itararé concede entrevista ao JC

Jaqueline Nunes da Silva, a nova Secretária de Saúde disse que pretende principalmente planejar ações, "sem um planejamento fica difícil de conquistarmos um objetivo"



No final do mê de julho, a nova Secretária de Saúde do município de Itararé foi nomeada pelo atual Executivo para assumir uma das secretarias que possui uma grande importância dentro de uma administração, pois trabalha não somente com a população que mais necessita de atendimento de saúde como também precisa atender aos anseios da eficiência logística para que este atendimento seja o mais rápido e satisfatório possível.

Devido a importância do cargo, é que o Jornal Cidade de Itararé Online procurou conhecer a nova gestora da saúde e levar informações sobre como ela encara este desafio e quais suas propostas de trabalho para melhorar as condições de milhares de pessoas que necessitam do SUS e de toda a rede de saúde.

JC- Qual seu nome completo, cidade de origem e onde reside atualmente?

Jaqueline Nunes da Silva. Sou natural de Itararé. Nasci, vivi no município até os 8 anos de idade, e estudei na Escola Maria da Silveira. Atualmente resido em Sengés.

JC- Qual a sua experiência em saúde. Já trabalhou como Secretária de Saúde?

Sou bacharel em Serviço Social, com especialização em Saúde Pública. Tenho onze anos de experiência em gestão de saúde. Trabalhei por mais de 10 anos na Secretaria de Saúde de Sengés, e fui presidente do CRESEMS - Conselho de Secretários de Saúde da Região de Ponta Grossa, por dois anos.

JC- A sra. pretende trazer mais algum técnico na área para auxiliá-la?

Estamos em fase de diagnóstico da saúde pública do município. Com a conclusão do diagnóstico e definição das estratégias, analisaremos a necessidade e possibilidade de contratação de técnicos.

JC- A saúde é um setor constantemente criticado por muitos, como fazer para que diminuam as reclamações em todos os setores?

A saúde pública está diretamente relacionada a outros determinantes: sociais, culturais, econômicos. É necessário contextualizar. A primeira medida é fortalecer a atenção básica, torná-la eficiente e resolutiva. Estamos realizando um mapeamento e desenho da rede assistencial do município, para subsidiar nosso planejamento de forma consistente. Alguns pontos já ficaram evidentes, como a fragilidade na assistência aos bairros de zona rural, necessidade de investimento na estrutura das unidades básicas, capacitação técnica de todos os profissionais e morosidade no agendamento de exames e consultas em especialidades médicas. Também é importante ressaltar que nesse ano teremos Conferência Municipal de Saúde, e nesse evento ouviremos todos os segmentos da sociedade. Realizaremos as pré-conferências nos bairros para juntos definirmos as prioridades para a Saúde Pública de Itararé . Nesse processo de planejamento, a participação popular é fundamental.

JC- A frota de veículos da saúde é bastante utilizada e com isso há um desgaste muito grande, como a sra. pensa em resolver este problema?

A saúde pública, em todo o país, é organizada em redes de assistência, e cabe ao município assegurar o transporte até os locais de referência. Ainda estamos com grande dificuldade de transporte, devido ao precário estado da frota municipal. Estamos investindo em manutenção e aquisição de novos veículos, para oferecer qualidade e segurança a todos os pacientes.

JC- Existem Postos de Saúde sendo reformados, alguns com a construção paralisada e outros ainda que sequer saíram do papel. Como a sra. pretende administrar tudo isso?

As unidades Santa Terezinha e Tonico Adolfo estão em reforma para adequações importantes, principalmente para atender os parâmetros de acessibilidade. Também já existem novos projetos aprovados: reforma da Unidade de Saúde Bairro Velho, ampliação da Unidade de Saúde Jardim Alvorada e a construção de sede para a Unidade de Saúde Vila Osório.  Ainda no mês de agosto cadastraremos junto ao Fundo Nacional de Saúde novas propostas de financiamento para unidades de saúde no município. Já a obra do Jardim São Paulo será retomada com brevidade.

JC- Em sua opinião, a UPA ajuda ou atrapalha?

Todo serviço de saúde vem para somar. Com o diagnóstico, estudaremos a rede assistencial do município para utilizarmos todos os recursos disponíveis de forma apropriada.

JC- Contratar médicos do exterior assim como o Governo Federal deseja fazer, na sua opinião ameniza os problemas?

O fato é que a nossa região tem dificuldade em contratar e fixar médicos, especialmente para a atenção básica. Estamos acompanhando o processo iniciado pelo Ministério da Saúde, e se for interessante para o município de Itararé, no momento oportuno realizaremos a inscrição no Programa Mais Médicos.   

JC- A capacitação técnica de enfermeiros, agentes de saúde e outros é possível fazer acontecer? De que maneira?

Capacitação técnica é imprescindível para a saúde pública. É fundamental investir na formação de todos os nossos profissionais. Já temos agendadas algumas capacitações pontuais, mas o objetivo maior é a construção de uma política de educação permanente. 

JC- Quais programas que ainda não existem em Itararé que a sra. pretende trazer?

Paralelamente ao diagnóstico, estamos levantando todos os programas e recursos disponíveis nas esferas: estadual e federal. Brevemente divulgaremos todos as propostas e projetos pleiteados. 

Veja mais


Paciente do Hospital Amaral Carvalho e doador de medula óssea se encontram.

"Quando vi o pai e sua filha felizes, ela saudável, brincando e correndo, me senti honrado. Não há preço que pague um bem que podemos fazer ao próximo" comentou o doador Paulo.

Ler notícia

Dengue: Com a volta das chuvas, cuidados devem ser redobrados.

População deve estar atenta para evitar o surgimento de focos e criadouros do mosquito da dengue.

Ler notícia

Hemonúcleo Regional de Jaú divulga resultado da campanha em Itararé

Uma grande fila de doadores se formou dentro da E.M. Maria Silveira

Ler notícia

Campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada.

Pacientes diagnosticados com doenças crônicas, policiais militares, civis e técnicos científicos, professores e carteiros também têm direito à imunização.

Ler notícia


Comentários