Economia - 07/01/2016

Contratos e sua revisão.

Não se trata de rasgar documentos assinados. Atitudes desse tipo minam a credibilidade e têm consequências legais.



A conjuntura econômica, o mercado, a legislação e uma série de outros fatores passam constantemente por mudanças, o que obriga as empresas a se adaptarem a novas circunstâncias. Nesse contexto de transformações, acordos firmados deixam de contemplar as necessidades dos envolvidos e é preciso repensá-los, incluindo a revisão de contratos. No caso das micro e pequenas empresas, cujas contas geralmente são apertadas, acertos em novas bases podem ajudar muito as finanças.

Não se trata de rasgar documentos assinados. Atitudes desse tipo minam a credibilidade e têm consequências legais. Por mais que o empresário esteja com dificuldades, qualquer alteração amigável depende da concordância da outra parte. A chave é manter uma boa gestão do assunto e agir dentro do permitido. 

Se pensarmos em um contrato de locação, a pessoa jurídica pode pedir para reduzir o aluguel de onde está instalada. Se a empresa estiver há cinco anos no imóvel e três anos na mesma atividade, a lei permite ao inquilino pedir a revisão do valor desde que dentro do período de um ano a seis meses do vencimento. Sem a atenção devida, perde-se a oportunidade. A legislação protege a empresa porque ela precisa de tempo para construir a marca e conquistar clientes. Mesmo que o locador não queira discutir o assunto, cabe ainda ao locatário entrar na Justiça com ação de revisão.

Como nas crises econômicas as renegociações são mais frequentes, o inquilino não deve descartar a possibilidade de tentar um desconto no aluguel por um determinado tempo. É melhor para o locador receber menos do que ficar com o imóvel vazio. 

Se o rearranjo for com fornecedor, empresas de serviço de telefonia e internet, por exemplo, a quebra de contrato sujeita o cliente à multa, pois a outra parte não é obrigada a renegociar. Imagine que o pacote de serviços em vigor ficou desinteressante e você quer trocar por um mais barato. Cheque se vale a pena pagar pelo destrato ou seguir até o fim. Por isso, a dica é assinar acordos de menor duração, que possam ser renovados (ou não) em intervalos mais curtos, assim você não fica amarrado a algo que não serve.

Agora mudemos de lado no balcão: o empreendedor, prestador de serviço, que quiser rever o contrato com seu cliente igualmente precisará da anuência deste. Isso se passa reiteradamente com empreiteiro ou arquiteto que, no transcorrer do trabalho, vê surgir outros itens não contemplados no documento e que encarecem o serviço. Ou, em outro tipo de negócio, envolvendo custos em dólar, que dispara. Nesse caso, uma ação revisional pode ser a saída. Os Juizados Especiais dispensam a participação de advogado e abraçam causas de até 20 salários mínimos.

Se a conversa for com bancos, dificilmente a instituição cortará os juros de um empréstimo, mas obter o alongamento do prazo é factível.

Para o empreendedor fica a orientação: profissionalizar a gestão de seus contratos. Isso só trará benefícios

Veja mais


Sebrae-SP reúne segmento de beleza para discutir melhorias na gestão.

Evento apresentará alternativas para melhorar desempenho das empresas do segmento.

Ler notícia

Por quê comprar dos pequenos negócios?

Na atual crise que o País atravessa, precisamos mudar a nossa forma de agir, apoiando ainda mais a economia local e o dono de um pequeno negócio.

Ler notícia

SEBRAE e Prefeitura realizam reunião para apresentar o ‘Empresa Fácil Paraná’.

O ‘Empresa Fácil Paraná’ é o novo sistema de abertura, alteração e baixa de empresas no Paraná.

Ler notícia

Loja Modelo Itinerante do Sebrae-SP está em Itararé.

A carreta está nos dias 18, 19 e 20 de agosto, na São Pedro, das 10h às 19h.

Ler notícia


Comentários