Agricultura - 11/07/2015

Toxinas de fungos podem reduzir uso de herbicidas.

Esta técnica preserva o cultivo principal.



Toxinas espontaneamente produzidas por fungos poderiam reduzir o uso de herbicidas, aponta pesquisa da Universidade Federal de Roraima (UFRR), em conjunto com o estado de São Paulo. O estudo identificou extratos de culturas fúngicas que controlam apenas plantas daninhas, sem afetar o cultivo principal.

“O objetivo é estudar e descobrir que toxina é essa e se ela teria realmente ação contra algumas espécies de plantas daninhas que estamos estudando, para ser indicada para a formulação de um herbicida biológico”, afirma a doutoranda em Agronomia Rosianne Barbosa. O estudo faz parte do trabalho de conclusão da pesquisadora, sob orientação do professor doutor Jefferson Fernandes. 
 
“O método utilizado consiste em coletar plantas daninhas com manchas foliares causadas por fungos em cultivo, por exemplo de arroz, dendê, feijão-caupi, milho e soja em Roraima e cana-de-açúcar em São Paulo”, explica Rosianne.

De acordo com a pesquisadora, os fungos são cultivados em recipientes isolados, revestidos de papel-alumínio e mantidos estáticos, com o objetivo de estimular a produção de toxinas. O extrato obtido passa por um processo de ‘liofilização’ (desidratação e congelamento sob vácuo).

Veja mais


Secretaria de Agricultura alerta sobre ocorrência de casos de raiva em bovinos.

População rural deve se preocupar em vacinar seus animais.

Ler notícia

Mutirão de atendimento veterinário gratuito será dia 21 no Jardim Alvorada.

Deverão ser vacinados cães e gatos saudáveis e com mais de três meses de idade.

Ler notícia

Prejuízo causado por nova lagarta da soja alerta para cuidados nas lavouras do Sul

Alguns produtores deixaram de realizar o monitoramento o que facilita o surgimento de pragas

Ler notícia

Prefeitura investe R$ 500 mil na aquisição de produtos da agricultura familiar em Itapeva.

Programa subsidiará a compra de alimentos para suprir as necessidades das entidades assistenciais do município.

Ler notícia


Comentários