Economia - 03/06/2015

Faturamento das micro e pequenas empresas paulistas cai 4,8% em março.

Foi a terceira queda seguida do indicador na comparação de um mês com igual período do ano anterior, segundo pesquisa do Sebrae-SP.



O faturamento das micro e pequenas empresas (MPEs) do Estado de São Paulo caiu 4,8% em março em relação ao mesmo mês do ano passado, já descontada a inflação. Foi a terceira queda seguida na comparação de um mês com igual período do ano anterior, reflexo do desempenho fraco da economia do País em 2015, de acordo com a pesquisa Indicadores Sebrae-SP.

Na comparação com fevereiro, no entanto, houve aumento de 6,1% na receita real das MPEs, em função do maior número de dias úteis. Em março, os pequenos negócios tiveram receita real de R$ 46,9 bilhões, R$ 2,4 bilhões a menos do que no mesmo mês de 2014 e R$ 2,7 bilhões acima do de fevereiro deste ano.

Na análise por setores, a indústria apresentou discreto aumento no faturamento em março de 2015 ante março de 2014, de 0,7%. O comércio ficou estável com variação positiva de apenas 0,1% no mesmo período. Já os serviços registraram redução de 12,2%.

A queda no setor de serviços foi acentuada pela base de comparação um pouco mais forte, já que em março de 2014 foi o único setor a ter resultado positivo, enquanto indústria e comércio apresentaram queda real na receita. Também contribuiu para o recuo a redução de receita do segmento de serviços prestados a empresas (cobrança, telemarketing, serviços jurídicos e de contabilidade, entre outros).

“Há uma combinação terrível de fatores a prejudicar o desempenho das micro e pequenas empresas”, afirma o presidente do Sebrae-SP, Paulo Skaf. “Os pequenos negócios têm sofrido com a baixa confiança do consumidor, o aumento do desemprego, a queda do rendimento real dos trabalhadores, a inflação elevada e o impacto das medidas para ajustar a economia brasileira. Com esse conjunto, infelizmente, não é surpresa que o faturamento das micro e pequenas empresas tenha caído.”

A má fase da economia não poupou nenhuma região do Estado. O Grande ABC amargou o pior quadro, uma diminuição de 8,5% no faturamento em março de 2015 ante março de 2014. O interior do Estado também amargou sensível queda em igual período, de 7,5%. No município de São Paulo, o faturamento das MPEs caiu 5,1% e na Região Metropolitana de São Paulo o recuo foi de 2,2%.

Trimestre

No primeiro trimestre deste ano, o faturamento das MPEs diminuiu 12,8% em relação aos três primeiros meses do ano passado.  

No mesmo período, houve variação de -0,1% no total de pessoal ocupado (sócios-proprietários, familiares, empregados e terceirizados) ante igual período de 2014.

A folha de salários, na mesma comparação, ficou 2,9% menor e o rendimento (salários e outras remunerações) dos empregados baixou 1,6%.

Expectativas

Em abril, os donos de MPEs paulistas, na sua maioria (59%), disseram esperar estabilidade no faturamento de seus negócios nos próximos seis meses. Em abril de 2014, 57% tinham essa expectativa. Os que acreditam em melhora são 21%, ante 27% no mesmo mês do ano passado e aqueles que imaginam piora são 11% sobre 7% de um ano antes.

Quanto à economia brasileira, 39% dos proprietários de MPEs apostam em estabilidade nos seis meses seguintes. Esse grupo era de 48% em abril do ano passado. Já a parcela dos que acreditam em piora aumentou de 26% para 38%. Os que falam em melhora eram 19% e agora são 14%.

“A situação ruim da economia continua impactando negativamente nos resultados das micro e pequenas empresas. O desaquecimento do mercado interno, do qual os negócios de pequeno porte são muito dependentes, atinge diretamente o caixa”, diz o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano. “Nesse contexto, os empreendedores tendem a ficar menos esperançosos com relação ao futuro e não se sentem seguros para dar passos mais largos. Ao que parece, a tônica é manter o que se tem e tentar minimizar as perdas, já que o faturamento tem caído seguidamente.” 

A pesquisa

A pesquisa Indicadores Sebrae-SP é realizada mensalmente, com apoio da Fundação Seade. São entrevistados 2.716 proprietários de MPEs do Estado de São Paulo por mês. No levantamento, as MPEs são definidas como empresas de comércio e serviços com até 49 empregados e empresas da indústria de transformação com até 99 empregados, com faturamento bruto anual até R$ 3,6 milhões. Os dados reais apresentados foram deflacionados pelo INPC-IBGE.

Veja mais


ACEI capacita para fim de ano.

O curso Visual Merchandising é organizado pelo Sebrae(SP) e o curso será aplicado pelo Senac (SP).

Ler notícia

Feira do Empreendedor, o maior evento de empreendedorismo de SP.

Interessados devem entrar em contato pelos telefones (15) 3522-4444 (Sebrae) ou (15) 3532-1162 (PAE).

Ler notícia

BUSCAPE VOLTA À TV COM CAMPANHA PARA AJUDAR CONSUMIDOR A ECONOMIZAR.

Aplicativo do Buscapé é apresentado como indispensável para uma boa pesquisa de compras.

Ler notícia

Constelações Sistêmicas podem ajudar na solução de problemas de uma Empresa.

Em período de instabilidade econômica, técnica pode trazer soluções positivas para empresas de todos os tamanhos.

Ler notícia


Comentários