Religião - 05/08/2013

Pe. Luciano comemorou seu 1º ano de sacerdócio

Após um ano de sacerdócio, Pe. Luciano fala sobre a alegria da data e seus projetos pessoais.



Além do Dia do Padre, a missa das 19h deste domingo (04) foi especial para Luciano Romero da Silva, mais conhecido como Pe. Luciano, pois o mesmo foi ordenado neste mesmo dia em 2012. Filho de Manoel Romero da Silva (in memoriam) e Terezinha Pedro Nolasco, Pe. Luciano tem quatro irmãos.

Iniciou seus estudos, o propedêutico no dia 04 de agosto de 2003 em Curitiba-PR. Estudou Filosofia mais três anos em Campinas-SP, fez seu Noviciado durante um ano em Uberaba-MG, quatro anos de Teologia em São Caetano do Sul e finalmente o Diaconato durante seis meses, antes de sua ordenação.

Atualmente está em São Caetano do Sul como Promotor Vocacional na Província Estigmatina de Santa Cruz e seu trabalho abrange São Paulo, Paraná, Bahia, Chile e Paraguai.

Pe. Luciano nos concedeu uma entrevista, onde falou da satisfação de estar comemorando este primeiro ano sacerdotal, dos seus projetos pessoais e da renovação vocacional que o Papa Francisco está proporcionando à Igreja.

JC-Qual a satisfação de completar um ano de sacerdócio?

É uma alegria muito grande, pois completar um ano de sacerdócio é completar um ano da Graça de Deus em minha vida. Na Teologia nós temos uma disciplina chamada Teologia da Graça onde nós estudamos a manifestação da Graça de Deus em nossa vida. Então é um ano de graça, de bênção, de adesão a este projeto magnífico de Cristo. E é um projeto que acontece em nossa vida que não tem palavras que possam explicar tamanha graça e bênção que Deus derrama sobre o ministério sacerdotal.

JC-O que mudou em sua vida após o sacerdócio?

Dois pontos. Humanamente mudou a dimensão de leigo para o ministério ordenado. Na Teologia nós chamamos de uma mudança ontológica. Esta mudança ontológica é fazer com o Luciano, que continua o mesmo, passe a fazer parte do ministério sacerdotal, ou seja, o ministério do próprio Cristo que nos ordena e nos conduz nesta caminhada. Pessoalmente o que mudou no Luciano. Mudou todo aquele trabalho, que antigamente era ministério leigo e hoje é sacerdotal. Mudaram as responsabilidades. Antes batizava como leigo, hoje batizo como padre. Celebro missas, atendo confissões, então o Luciano pessoa continua o mesmo, aquele Luciano de Itararé, da Matriz, da São Pedro, Luciano do nosso povo.

JC-O senhor tem algum projeto dentro do sacerdócio que deseja realizar?

Sim, eu tenho  vontade de realizar um curso de Agiologia; que é o estudo da vida dos santos. Eu gosto desta mística da vida dos santos porque através deles a gente consegue perceber que pessoas simples conseguiram chegar até Jesus Cristo que é caminho, verdade e vida. Então este estudo é o que pretendo realizar como sacerdote. Hoje estou como promotor vocacional na província de Santa Cruz dos Estigmatinos, mas ainda pretendo trabalhar em Paróquias e realizar outro curso que é a de Espiritualidade Nasciana, que fala muito com a nossa congregação e que pertence ao nosso carisma.

JC- O senhor trabalha com vocações. A vinda do Papa para a JMJ deu um novo ânimo para este trabalho? Despertou nos jovens um interesse maior?

Antes da vinda do Papa Francisco, nós das congregações religiosas, das dioceses conversávamos e percebíamos que os jovens estavam mais tardios em dar sua resposta, tanto que nós temos as  Vocações Adultas que são acima dos trinta e cinco anos e que eram um questionamento da CNBB e da CRB sobre estas vocações. Com a visita do Papa, os jovens tiveram contato com o Papa Francisco e mesmo com o fervor da JMJ, muitos começaram a despertar interesse pela vida com Cristo num sentimento e num segmento mais radical; muitos frequentavam grupos de jovens, nas paróquias, porém, aquele chamado interior para uma vida consagrada parece ter despertado em muitos. Isto foi positivo, pois o jovem a partir dos momentos de oração para a realização da jornada começou a olhar com mais carinho aquilo que Deus quer de cada um deles. Tem aumentado o número de “cartinhas” de jovens que pedem um acompanhamento vocacional e isto nos alegra muito e não quer dizer que a intenção em ter um acompanhamento vocacional seja apenas para a vida religiosa, consagrada. Muitas vezes, o acompanhamento vocacional também auxilia na boa orientação para o matrimônio que também é uma vocação, o chamado a ser pai a ser mãe.

 

JC- Sobre a celebração deste um ano de sacerdócio, o que o senhor teria a dizer.

Superou as minhas expectativas, pois tivemos outras celebrações durante o domingo e mesmo assim a Matriz estava lotada de fiéis e amigos que estiveram comigo para compartilhar este momento de ação de graça de um ano. Como é gostoso presidir a missa entre amigos. Presidi a missa sabendo que estava entre família. A família do povo de Itararé, a família do Pe. Luciano; pois é como o Senhor fala, aquele que deixar casa, pai, mãe, irmãos, terra e bens por causa do Reino, herdará cem vezes mais e ali quantos amigos e irmãos na fé estavam presentes e sei que estes mesmos estão constantemente em oração para que eu continue firme na caminhada.

Veja mais


Correios celebra visita do Papa Francisco ao Brasil com lançamento de selo

Serão emitidos 1,2 milhão de selos, comercializados a R$ 1,80 cada

Ler notícia

Mau tempo não atrapalhou o Corpus Christi em Itararé.

Este ano o trajeto foi alterado por motivo litúrgico.

Ler notícia

Festa de Nossa Senhora Aparecida levou centenas de fiéis a Igreja no Jardim Centenário

Igreja esteve lotada em todos os dias da novena e principalmente no 12 de outubro

Ler notícia

Igreja Metodista promoverá um Encontro para Casais

"Muitas graças e bênçãos acontecerão" diz o pastor Conrado Tagliatela

Ler notícia


Comentários