Economia - 01/02/2016

A passagem de MEI para microempresa.

O que fazer e quando fazer.



Aumentar os ganhos é o que qualquer dono de negócio próprio quer. Mas no caso do Microempreendedor Individual (MEI), essa possibilidade traz à tona uma dúvida recorrente: o que acontece se o faturamento anual ultrapassar o limite da categoria de R$ 60 mil? Ele deixa de ser MEI e torna-se o quê? Nessa hipótese o negócio passa a ser classificado como microempresa e há duas situações a serem analisadas. Vejamos.

Se o faturamento for maior do que o teto de R$ 60 mil, mas não superar R$ 72 mil no ano, o MEI tem de recolher o Documento de Arrecadação Simplificada (DAS) até dezembro e também recolher um DAS extra, relativo ao excedente de faturamento. O prazo para pagar o complemento é o mesmo dos tributos de janeiro do Simples Nacional, geralmente, 20 de fevereiro. Esse segundo DAS será gerado quando for feita a Declaração Anual do MEI (Dasn-Simei), que é o documento anual em que o MEI informa quanto faturou no ano anterior.

Posto isso, o empreendedor deve ficar atento, pois, a partir de janeiro, ele passará a ser tributado como microempresa dentro do Simples. Ou seja, o desenquadramento como MEI ocorrerá no ano seguinte. Percebe-se que nesse caso há uma espécie de “carência” para a mudança de status do empreendedor. Os porcentuais incidentes com a nova situação são de 4%, 4,5% ou 6% sobre o faturamento mensal. O que determina o índice é o ramo de atuação (comércio, indústria e serviços).

Quando o faturamento anual ficar acima de R$ 72 mil, ou seja, passar os R$ 60 mil em 20% ou mais, a nova condição do empreendedor será retroativa ao mês de janeiro. Caso o excesso tenha ocorrido no ano de formalização, retroagirá ao mês da inscrição no sistema. Aqui passam a incidir igualmente as alíquotas de 4%, 4,5% ou 6% de acordo com a atividade exercida. Como vimos, o desenquadramento é imediato.

Em ambos os casos, o procedimento deve ser feito no portal do Simples Nacional no site da Receita Federal. Depois da mudança, o empreendedor terá de contratar um contador para assinar a documentação fiscal.

O importante é ter o devido cuidado para não descumprir as regras, tomar as providências pertinentes às alterações para manter-se em atividade de forma regular. Na dúvida, o Sebrae – SP pode dar toda a orientação necessária.

Veja mais


O ‘Artesanato em Si’ feito à mão por duas artesãs.

Simples como somar um e um que resultam em dois, ou melhor duas artesãs de muito talento e que decidiram abrir seu próprio negócio.

Ler notícia

Faturamento das micro e pequenas empresas paulistas cai 18% em fevereiro.

Foi a maior queda para um mês de fevereiro na comparação com igual período do ano anterior desde 1998.

Ler notícia

Constelações Sistêmicas podem ajudar na solução de problemas de uma Empresa.

Em período de instabilidade econômica, técnica pode trazer soluções positivas para empresas de todos os tamanhos.

Ler notícia

CCR SPVias repassa mais de 28 milhões de reais de ISS para municípios da região.

Itararé recebeu quase R$ 360 mil de ISS da praça de pedágio em 2014.

Ler notícia


Comentários