Agricultura - 04/11/2015

Duas doenças atacam o trigo de Guarapuava (PR) na hora da colheita.

No momento em que o Brasil mais depende do trigo de qualidade, duas doenças ainda não identificadas estão derretendo o trigal de Guarapuava/PR.



  • Os pesquisadores suspeitam que possa ser uma bacteriose combinada com o fungo da mancha amarela (imagem ilustrativa).

Duas doenças, ainda não identificadas, atingiram as lavouras de trigo na região de Guarapuava (PR) que já estavam prontas para a colheita. Os pesquisadores suspeitam que possa ser uma bacteriose combinada com o fungo da mancha amarela que estão derretendo o trigal da região.

O problema teve inicio nas lavouras de cevada e rapidamente se espalhou para o trigo. As plantas atingidas pela doença ficam com as hastes amareladas, e os grãos endurecem comprometendo a qualidade do produto.

Segundo o presidente do sindicato rural de Guarapuava, Rodolpho Botelho, a safra que apresentava grandes qualidades e produtividade está virando triguilho. "Nos últimos dez dias a doença da macha amarela - que já estava ocorrendo - pode ter se associado a uma bacteriose e agora as aplicações de fungicidas não tem obtido resultados positivos", explica Botelho afirmando que cada aplicação custou em média mil reais por hectare.

Caso a presença da bacteriose se confirme podemos ter perdas significativas na produção, pois não existem agroquímicos de controle registrados para o trigo. Atualmente cerca de 7% de todo o trigo produzido no Estado é cultivado em Guarapuava (PR).

Além disso, em todo o país há registros de problemas com o trigo na safra 2015/16, devido ao excesso de chuvas no Sul. "Com os problemas no Rio Grande do Sul e em parte do Paraná, já se fala em um produção brasileira de 6 milhões de toneladas", destaca o presidente.

Diante desse cenário, Botelho ressalta ainda a importância de investir em tecnologia para desenvolver novos produtos de controle de doenças e potencializar da produção.

Veja mais


Em março, IBGE prevê safra 3,6% maior que a de 2014.

Índice foi baseado no LPSA que é uma pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras dos principais produtos agrícolas.

Ler notícia

Prefeitura pretende criar a “Feira Noturna”

Alguns feirantes acham viável mas não querem que a feira de sexta mude para Centro de Eventos

Ler notícia

Mudanças no clima e suas implicações frente à produção de hortaliças.

O livro é composto de sete capítulos, que discorrem sobre as projeções climáticas para o final do século no Brasil.

Ler notícia


Comentários