Economia - 10/09/2015

Vendedor brasileiro está menos simpático.

O consumidor entra na loja e muitas vezes encontra o vendedor de cara fechada. Será que a simpatia deixou de ser uma das nossas marcas registradas?



  • O consumidor entra na loja e muitas vezes encontra o vendedor de cara fechada. Será que a simpatia deixou de ser uma das nossas marcas registradas?

O brasileiro é sorridente, certo? Nem sempre... Pesquisa realizada pela empresa sueca Better Business World Wide, divulgada no final de agosto, mostra o Brasil no penúltimo lugar na classificação sobre atendimento a clientes iniciados com um sorriso. Ou seja, o consumidor entra na loja e muitas vezes encontra o vendedor de cara fechada. Será que a simpatia deixou de ser uma das nossas marcas registradas?

O levantamento em questão, chamado Smiling Report, foi feito em 2014 em 69 países e resultou em um ranking com 16 posições. A liderança é dos irlandeses, com 97% de atendimentos começados com sorriso. O Brasil aparece em 15º, com 79%, na frente apenas do Japão. Como se não bastasse o mau posicionamento, pioramos nesse quesito, já que na edição de 2013 da pesquisa estávamos na nona colocação.

Pela conclusão da Shopper Experience, empresa parceira da pesquisa no Brasil, é grave o fato de dois em cada dez consumidores entrarem nas lojas do nosso País e serem recebidos sem um sorriso, dada a quantidade de estabelecimentos. E realmente é, pois estamos falando de milhares de pontos de venda de produtos e serviços, onde o contato direto com o público tem papel determinante para a imagem da empresa.

O levantamento aponta que também estamos mal no índice de vendas adicionais conquistadas pelos atendentes. A média dos países nesse item foi de 52%; o Brasil ficou em 37%, de novo apenas antes do Japão. Honduras foi o líder nesse indicador, com 97%. 

Não tem segredo para melhorar a situação: é preciso investir em atendimento de qualidade. Quando preços e produtos são iguais ou similares, é o relacionamento com o cliente que faz a diferença, pois é capaz de despertar no consumidor a vontade de adquirir algo e ainda fidelizá-lo.

O dono de um negócio deve, portanto, escolher muito bem os integrantes da sua equipe, treiná-los e motivá-los para que o sorriso apareça, seja sincero e o público se sinta bem no estabelecimento. Com tanta concorrência, é fácil o cliente virar as costas porque não se sentiu bem recebido e preferir gastar seu dinheiro em outra loja.

Além disso, na atual conjuntura econômica, em que as pessoas estão mais seletivas e com poder de compra reduzido, perder negócio porque o vendedor está de mau humor ou é impensável. 

Veja mais


Faturamento das micro e pequenas empresas paulistas cai 18% em fevereiro.

Foi a maior queda para um mês de fevereiro na comparação com igual período do ano anterior desde 1998.

Ler notícia

Salário fixo ou comissão? Qual funciona no seu negócio?

Muitos ficam em dúvida qual a melhor opção.

Ler notícia

INDÚSTRIA NÃO ACEITARÁ NOVO AUMENTO DA CARGA TRIBUTÁRIA.

O Brasil precisa de duas ações urgentes: baixar a carga tributária excessiva e reduzir a burocracia sufocante, diz Skaf.

Ler notícia

E-BIT abre votação para eleger as lojas mais queridas no 13º Prêmio de E-Commerce.

Vencedores do prêmio, conhecido como o "Oscar do Varejo Online”, serão divulgados durante evento do setor em março.

Ler notícia


Comentários